De que cor é o vento?

Durante um ano de trabalho reunindo informações, entrevistando pessoas e instituições, realizando atividades práticas junto a grupos de deficientes visuais, buscamos estudar a percepção estética e plástica desse público específico como intuito de desenvolver material e recursos para o trabalho em museus e instituições de caráter cultural. A complexidade da proposta e de sua abrangência revelou, de antemão, que a pesquisa estaria apenas dando seus primeiros passos e que, para uma abordagem mais aprofundada desse tema, seria necessária uma mudança de comportamentos pessoais e institucionais e de fatores socioculturais que vão além da iniciativa praticada, descrita e refletida nas páginas que se seguem.

 

 

 

Clique aqui para ler o texto completo